CâMARA DOS DEPUTADOS

Pandemia: Suspensão de prestações do Minha Casa Minha Vida é aprovada

Projeto de Lei suspende pagamentos de beneficiários do programa Minha Casa Minha Vida em razão das dificuldades durante a pandemia de Covid-19.

Pandemia: Suspensão de prestações do Minha Casa Minha Vida é aprovada

Proposta suspende pagamentos mensais por 180 dias - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Agência Câmara de Notícias

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nessa segunda-feira (20) o Projeto de Lei 795/20, dos deputados Professor Israel Batista (PV-DF) e Helder Salomão (PT-ES), que suspende os pagamentos mensais de beneficiários do programa residencial Minha Casa Minha Vida por 180 dias em razão das dificuldades financeiras ocasionadas pela pandemia de Covid-19.

A matéria foi aprovada na forma do substitutivo do deputado Gutemberg Reis (MDB-RJ) e será enviada ao Senado.

 

>> Novo programa habitacional deve substituir Minha Casa Minha Vida

>> Financiamento: Caixa anuncia novidades em crédito imobiliário

Público-alvo

A suspensão dos pagamentos valerá para os mutuários da faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, com renda familiar mensal de até R$ 1,8 mil, cujo financiamento usou recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) ou do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS). A suspensão de seis meses valerá a partir da publicação da futura lei.

>> Cartórios de notas realizam serviços por videoconferência no Brasil

>> Caixa amplia pausa para pagamento de prestação habitacional

>> Especial: programa Minha Casa Minha Vida completa 10 anos em 2019

Como fica o pagamento

Essas parcelas serão pagas depois do prazo final do financiamento original, mas o total de parcelas do programa que serão adiadas, a ser suportado pelo Tesouro Nacional, será limitado a R$ 215,4 milhões.

>> Moradia e risco: a realidade de quem vive em morros e encostas no Grande Recife

>> Minha Casa Minha Vida: atraso em entrega vai completar 4 anos

Habitação rural

Quanto aos participantes do Minha Casa Minha Vida com operações enquadradas no Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR), o substitutivo adia para dezembro de 2020 a parcela anual devida pelas famílias beneficiárias.

Para o relator, deputado Gutemberg Reis, o projeto e seus apensados têm o mérito de “resguardar a moradia, direito fundamental e umbilicalmente atrelado à dignidade da pessoa humana”.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.