ALTA

Professora, paciente de número 2.500 diagnosticada no Recife com coronavírus recebe alta

A professora ficou sete dias de internação entre a UTI e a enfermaria

Professora, paciente de número 2.500 diagnosticada no Recife com coronavírus recebe alta

A professora ficou sete dias de internação entre a UTI e a enfermaria - Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR

Curada do novo coronavírus, a professora Eliane dos Santos Medeiros, 60 anos, foi a paciente de número 2.500 a ter alta dos hospitais de campanha da Prefeitura do Recife. Os profissionais do Hospital Provisório Recife 2, nos Coelhos, formaram um corredor para celebrar a recuperação de Eliane, na sexta-feira (31), dia em que a rede de hospitais de campanha atingiu a marca. 

Após de sete dias de internação entre a UTI e a enfermaria do HPR 2, a professora não poupou agradecimentos aos profissionais de saúde e das demais áreas que cuidaram dela. “Fui muito bem atendida e estou muito agradecida a todos os profissionais, desde os serventes, aos médicos e gestores. Para a equipe do hospital desejo muitas felicidades. Todos ajudam a gente no peito e na raça. Não tinha ninguém com má vontade. A equipe foi muito bem preparada”, disse a pedagoga que é asmática e rezava diariamente para se curar e ter a oportunidade de conhecer seu primeiro neto, que está para nascer.

Medidas de prevenção

Em meio ao momento de comemoração, Eliane também fez questão de alertar à população sobre a importância das medidas de prevenção. “Quero deixar um recado a todos. Isso aqui não é uma brincadeira; é uma guerra. O povo não está acreditando. Essa doença não é brincadeira. Usem máscara, não fiquem juntos de muita gente e cuidem de si e do próximo”, disse a docente, que já superou duas infecções pulmonares.

Recuperação comemorada

A recuperação da professora foi bastante comemorada entre os profissionais de saúde que estiveram ao lado dela durante seu internamento. “Ela é uma pessoa muito sensível. Quando chegou, não acreditou que estava com covid, mas ao ver o exame, começou a responder ao tratamento, mesmo sendo asmática. Quando dei a notícia de sua alta, ela não acreditou. Ficou bastante emocionada”, revelou o supervisor de Enfermagem da UTI, Erickson Luan Gomes.

Agradecimento

Em anúncio na sexta-feira, data que marcou a alta 2.500, o prefeito Geraldo Julio agradeceu aos profissionais que ajudaram a construir os sete hospitais e aos que trabalham nas unidades e conseguiram devolver 2.500 pessoas curadas para suas famílias.

“Os nossos hospitais de campanha chegaram a 2.500 altas de pacientes que estiveram internados. Pessoas que precisaram de atendimento hospitalar e foram tratadas em hospitais que não existiam antes da pandemia. Transformamos terrenos, galpões sem uso, em enfermaria e UTIs que estão salvando vidas. Muito mais do que um número, cada pessoa dessa que voltou para casa curada representa muito para sua família, para os seus amigos e para toda a sociedade. Quero agradecer a todos que participaram da construção e da equipagem, e a todos que trabalham no funcionamento desses hospitais de campanha, salvando muitas vidas diariamente”, disse o prefeito.

Leitos

O Recife foi a capital brasileira que proporcionalmente abriu mais leitos para pacientes como Eliane, com confirmação ou suspeita de covid-19. De acordo com levantamento feito pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), a capital pernambucana criou 1.155 leitos durante a pandemia, ficando atrás apenas da cidade de São Paulo, que abriu 1.791 leitos. Levando em conta o número de habitantes, o Recife criou, proporcionalmente, cinco vezes mais leitos para sua população, já que a capital pernambucana tem 1,6 milhão de habitantes e a capital paulista tem mais de 12,2 milhões de habitantes.

De acordo com análises feitas pela Prefeitura do Recife a partir dos dados disponibilizados no site oficial do CFM (www.portal.cfm.org.br), a capital pernambucana criou 70 leitos de covid-19 para cada 100 mil habitantes, enquanto São Paulo abriu 14 leitos de covid para cada 100 mil habitantes. Somente a Prefeitura do Recife abriu cerca de mil leitos nos últimos meses (mais de 700 de enfermaria e mais de 300 de UTI), já tendo desativado 300 enfermarias por acumular mais de dois meses de queda nos indicadores da pandemia. Na capital, também foram abertos leitos de covid-19 pelo Governo do Estado, sem contar os leitos da rede privada, não contabilizados pelo estudo.

A gestão municipal ergueu sete hospitais de campanha e ainda abriu leitos de covid-19 em outras duas unidades de saúde. Atualmente, a rede municipal tem 724 leitos em funcionamento, sendo 342 de UTI e 382 de enfermaria. Essa estrutura já propiciou mais de 13.500 atendimentos e mais de cinco mil internações. Tamanho esforço da rede municipal ainda permitiu que a rede hospitalar do Recife ajudasse outras cidades pernambucanas. Prova disso é que, nesta semana, mais de 70% dos pacientes internados com covid nas UTIs municipais são de fora do Recife. A análise do CFM também mostra que Pernambuco é o segundo estado brasileiro em ampliação da rede hospitalar na pandemia.

Atenção básica

Além da rede de hospitais de campanha, a Prefeitura do Recife também salvou vidas em outra frente: a rede de Atenção Básica à Saúde, que foi reestruturada para também atender casos suspeitos ou confirmados da covid-19. Reorganizada pela Prefeitura do Recife desde abril, 20 unidades de referência da Atenção Básica à Saúde ultrapassaram a marca de 20 mil atendimentos, nesta semana, contribuindo para desafogar os Serviços de Pronto Atendimento (emergências) da rede municipal e evitando que pessoas com suspeita de covid-19 tivessem contato com pacientes que estivessem buscando vacinação, remédios, pré-natal e outros atendimentos.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.