Auxílio emergencial em 2021

Bolsonaro se reúne com Lira, Pacheco e ministros para discutir auxílio emergencial


Encontro sobre o auxílio emergencial ocorreu no Palácio do Alvorada para debater também compra de vacinas e PEC emergencial

Karina Costa Albuquerque Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Publicado em 01/03/2021 às 10:08
Marcello Casal Jr./ABr
FOTO: Marcello Casal Jr./ABr
Leitura:

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), fez uma reunião, no Palácio da Alvorada, na noite desse domingo (28), para discutir medidas de enfrentamento à Covid-19, como o pagamento do auxílio emergencial, as vacinas e a proposta de emenda à Constituição (PEC) Emergencial, que cria espaço fiscal.

O Brasil vive um colapso na saúde, com falta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em meio à segunda onda da doença.

>> Novo auxílio emergencial: Jair Bolsonaro confirma, divulga valor e detalha pagamentos

>> Paulista paga auxílio emergencial aos artistas e motoristas de transporte escolares

>> Além do auxílio emergencial, programa de renda que substitua ou amplie o Bolsa Família é discutido

>> Novo auxílio emergencial terá valor de R$ 300 ou R$200, e por quantos meses? Pode aumentar? Veja o que defendem setores do governo

Participantes

Participaram do encontro os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o ministro da Economia, Paulo Guedes, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o ministro da Secretaria de Governo, Eduardo Ramos, e o ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto.

>> Auxílio emergencial temporário não justifica fim do piso na saúde e educação, critica Paulo Câmara

>> Auxílio emergencial deve ser declarado no Imposto de Renda; saiba mais

Pacheco

No Twitter, Pacheco disse que reafirmou ao presidente que "nada é mais importante" que manter o foco no atendimento às vítimas do coronavírus, aos imunizantes e ao pagamento do auxílio emergencial.

 

Mais cedo, Bolsonaro usou as redes sociais para minimizar o colapso no Sistema Únido de Saúde (SUS) e criticar as regras de isolamento social, impostas por governadores, entre eles o do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB).

Mais Lidas