ELEIçõES

João Campos critica PT após resultado do 1º turno das eleições: ''O Recife não vai andar para trás''

O candidato João Campos , do PSB, teve 29,17% dos votos e vai para o segundo turno das eleições 2020 contra Marília Arraes (PT)


João Campos critica PT após resultado do 1º turno das eleições: ''O Recife não vai andar para trás''

''O Recife conhece sim o que o PT e suas ‘arengas’ fizeram na cidade'', afirmou João Campos - Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem

O candidato à Prefeitura do Recife João Campos (PSB) terminou o primeiro turno das eleições 2020 em primeiro lugar, mas não foi suficiente para conseguir a eleição. Com 29,17% das intenções de votos, ele a vaga de prefeito da capital pernambucano no segundo turno contra Marília Arraes (PT), que teve 27,95% dos votos. O socialista se mostrou confiante para a disputa. Vale lembrar que, em 2020, o segundo turno está marcado para 29 de novembro.

>>João Campos e Marília Arraes disputam 2º turno para a Prefeitura do Recife

>>Delegada Patrícia diz que não apoiará nem PT e nem PSB no 2º turno

>>‘Resultado no 1º turno mostrou quem é a verdadeira oposição ao PSB’, diz Marília Arraes (PT)

''O Recife vai ter a oportunidade daqui há 15 dias de fazer uma escolha. o recife não vai andar para trás. ninguém falou mais de futuro e apresentou mais caminho para a gente avançar nessa eleição do que a nossa candidatura. O Recife conhece sim o que o PT e suas ‘arengas’ fizeram na cidade, e Recife não vai retroceder. Entre o futuro e o passado, é claro que a pessoa vai escolher o futuro'', afirmou João Campos, em crítica a adversária Marília Arraes. 

'O segundo turno vai ser muito intenso'

Essa fala foi de João Campos (PSB), entrevistado, nesta segunda-feira (16), ao vivo, no Bronca 24h. Confira o que ele e Marília Arraes (PT) disseram, no vídeo abaixo (Campos, a partir de 15'22'', e Arraes, a partir de 18'49''):

O que leva eleição para 2º turno?

A corrida eleitoral, entretanto, ainda pode ser estendida nas cidades com mais de 200 mil habitantes, pois nelas há a possibilidade de 2º turno para o cargo de prefeito. Nestes municípios maiores, a Constituição Federal consagra o princípio de que, para assumir o comando do Executivo local, o candidato precisa obter maioria absoluta (50% mais um) dos votos válidos. Votos brancos e nulos não entram na conta. Essa é uma maneira de conferir maior legitimidade popular ao eleito.

>>Confira as cidades de Pernambuco que já sabem o resultado para prefeito nas Eleições 2020

Se nenhum candidato alcançar essa maioria absoluta no primeiro turno nas cidades com mais 200 mil habitantes, é adotado o mesmo procedimento das eleições para presidente e governador: a realização, em até 20 dias, de um segundo turno, no qual se enfrentam somente os dois candidatos mais votados no primeiro turno.

Instabilidade na apuração

A plataforma do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para o tempo real do resultado das eleições 2020 apresentou instabilidade, neste domingo (15), e atrasou a apuração dos votos para a Prefeitura do Recife. Em entrevista à repórter Talita Marques, o diretor do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), Orson Lemos, afirmou que o problema foi por causa de um congestionamento no sistema do TSE. Após o fim da votação, a mídia (arquivos) das urnas é levada aos cartórios, que transmitem para o TRE-PE e, consequentemente, vai para o TSE, que é responsável por divulgar os resultados das eleições 2020.

Boca de urna no Recife

O Ibope divulgou, neste domingo (15), a pesquisa de boca de urna sobre a eleição para a prefeitura do Recife. De acordo com instituto, o nível de confiança é de 99% e a margem de erro é de dois percentuais para mais ou para menos. Pela boca de urna no Recife, a capital pernambucana aponta segundo turno entre João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT). O candidato do PSB, de acordo com os dados da boca de urna no Recife, teve 35% dos votos. Já a petista alcançou 30%. Clique aqui e confira todos os números da boca de urna no Recife.

Eleições pela internet?

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que o TSE estuda criar uma votação online para as próximas eleições. Segundo o presidente do TSE, os estudos de um novo modelo de votação serão comandados pelos ministros Edson Fachin e Alexandre de Moraes.

>>Por medo de aglomerações, Lupércio suspende festa para acompanhar resultado em Olinda

"A proposta para as eleições do futuro é para que empresas de tecnologia apresentem modelos de votação digital que possam, no futuro, substituir as urnas, que funcionam muito bem e são confiáveis, porém elas têm um custo elevado, uma necessidade de reposição constante. A cada dois anos nós precisamos repor cerca de 20% das urnas. Com o aumento do dólar, isso significa, eu diria, aproximadamente R$ 1 bilhão de reais. E, portanto, para minimizar esse custo, nós estamos tentando um modelo alternativo, de preferência de voto pelo dispositivo pessoal", explicou Barroso.

Aglomerações durante apuração e pós-resultado

A Procuradoria Geral de Justiça de Pernambuco (PGJ-PE), através do procurador-geral de Justiça de Pernambuco, Francisco Dirceu Barros, orientou todos os promotores eleitorais estaduais a necessidade de interposição de pedido de providências contra todos os candidatos para que se abstenham de participar ou incentivar comemorações que gerem aglomerações. A PGJ-PE orienta promotores eleitorais de todo o estado para que não incentivem nem promovam comemorações e aglomerações.

Candidatos presos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou há pouco o número de urnas eletrônicas que foram substituídas e de ocorrências registradas durante o horário da votação. Até as 16h, 2.717 urnas foram substituídas. O número corresponde a 0,60% do contingente de 400 mil equipamentos que estão sendo utilizados nas eleições. Segundo o tribunal, 45 candidatos foram presos em flagrante por crime eleitoral.

Leia também: Procuradoria Geral de Justiça orienta que não haja comemorações públicas de resultado das eleições em Pernambuco

Entenda o que leva a disputa para prefeito ao 2º turno

TRE-PE orienta eleitores sobre instabilidade e erro no e-Título

Desafio pós-pandemia

o empresário João Carlos Paes Mendonça foi entrevistado na Rádio Jornal e falou suas visões para a capital pernambucana, diante das dificuldades causadas pela pandemia do novo coronavírus (covid-19), além dos desafios para a próxima gestão municipal, após as eleições 2020.

“O Bolsa Família, o auxílio emergencial, são importantes, mas devem ser de passagem. O importante é gerar emprego, é investir em educação. Sem educação, não há desenvolvimento”, afirmou o empresário.

 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.