AJUDA

Pedreiro que salvou filha após deslizamento de barreira no Recife luta para sustentar família: ''Ganho 20, 35 ou R$ 40''

A família de José Cláudio Batista sobreviveu ao deslizamento de barreira no Recife, mas perdeu a casa e pede ajuda para sobreviver

Pedreiro que salvou filha após deslizamento de barreira no Recife luta para sustentar família: ''Ganho 20, 35 ou R$ 40''

José Cláudio usou as próprias mãos para salvar a filha dos escombros após queda de barreira - Foto: Tião Siqueira/JC Imagem

Após usar as próprias mãos para salvar a filha dos escombros, por causa do deslizamento de barreira que atingiu a casa onde mora com a família no Ibura, na Zona Sul do Recife, o pedreiro José Cláudio Batista segue em situação complicada. Em entrevista à TV Jornal, ele revelou que está desempregado e vive apenas de pequenos bicos. No entanto, o valor que consegue ganhar é insuficiente para mudar a situação diária dele, da filha e da esposa em relação à compra de alimentos e outras necessidades básicas.

‘’Sou pedreiro, mas faço meus biscates. No momento, por causa da pandemia, estou sem serviço. No momento, vou lá em Jaboatão para buscar cajá e vender no carro de mão. Eu ganho às vezes 20, 35 ou então R$ 40. Se puderem me ajudar, com qualquer coisa, eu agradeço. Realmente, estou sem condições’’, afirmou. Os interessados em ajudar devem entrar em contato pelo número que também é WhatsApp (81) 9 8899 9398.

A barreira não aguentou o volume de água que caiu no Grande Recife durante todo o final de semana. Com a força do deslocamento de terra, parte de uma casa ficou destruída. A jovem de 14 anos foi atingida na cabeça e nas pernas após ser salva pelo pai e um vizinho que encontraram ela soterrada. 

> Entenda fenômeno que causou tanta chuva em Pernambuco no fim de semana

A vítima foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro de Lagoa Encantada, mas já recebeu alta e está junto com os pais.

Deslizamentos e alagamentos no Recife

Os transtornos provocados pelas fortes chuvas no Grande Recife, nesse fim de semana, persistem na vida da população. Isso porque, apesar de a chuva ter cessado, moradores e motoristas sofrem com as casas e ruas alagadas. A área mais atingida é a Zona Sul do Recife, mas os moradores de Jaboatão dos Guararapes também enfrentam muitos transtornos. Além de Jardim Monte Verde, no Ibura, o bairro do Jordão também sofreu com as chuvas.

> De charrete, equipe de reportagem da TV Jornal mostra pontos de alagamento

A orientação da Defesa Civil do Recife é que a população, em casos de fortes chuvas, deixe as áreas de risco e evite entrar em rios, córregos ou em locais alagados. As equipes da Defesa Civil do Estado permanecem em alerta 24h, e podem ser acionadas, por meio da Central de Operações pelos telefones 199 e 3181-2490.

Nota da Prefeitura do Recife 

Confira a nota da Prefeitura do Recife na íntegra sobre os desabamentos de barreiras nos últimos dias:

A Prefeitura do Recife esclarece que a chuva deste último final de semana foi um evento atípico. Em apenas 72h foi registrado um acumulado de 292 milímetros na cidade, o que representa 89% dos 326,3 milímetros previstos para todo o mês de abril.

A Ação Inverno 2021 foi iniciada em janeiro com a limpeza dos 99 canais que cortam a cidade. Até agora, 32 canais foram limpos, entre eles os canais do Ibura e do Jordão, e outros 12 estão com a intervenção em andamento, e mais de 30 mil toneladas de resíduos foram retiradas.

Com a Ação Inverno 2021, a Prefeitura está investindo R$ 96,6 milhões em ações de contenção de encostas, prevenção e monitoramento em áreas de risco, colocação de lonas plásticas, limpeza de canais e eliminação de pontos de alagamento, entre outras. O trabalho começou em janeiro deste ano.

A Emlurb também realizou a desobstrução de pontos de acúmulo de água neste final de semana, com caminhões equipados com jato de sucção atuando em diversas vias da cidade.

É importante lembrar que muitas áreas do município foram construídas em aterros ou ainda de forma desordenada, alguns pontos da cidade ficam abaixo do nível do mar e sofrem com a influência das marés, que alagam partes dos bairros mesmo sem incidência de chuvas.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.