AMPLIAçãO

Após auxílio emergencial, Bolsa Família pode atender mais pessoas

Principal programa social do governo, após o fim do auxílio emergencial, o Bolsa Família pode ficar maior e atender mais pessoas, em 2021


Após auxílio emergencial, Bolsa Família pode atender mais pessoas

O aumento respeitará teto de gastos e se tiver recursos disponíveis - Foto: JC Imagem

Com informações da Agência Brasil

Principal programa social do governo, após o fim do auxílio emergencial, o Bolsa Família poderá ficar maior e atender mais pessoas, em 2021, anunciou o secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, nessa quarta-feira (16).

Ele, no entanto, ressaltou que uma eventual ampliação do programa deverá respeitar o teto de gastos e só ocorrerá se houver recursos disponíveis.

>> OCDE: Relatório sugere aumento de valores do Bolsa Família

 

Verba

De acordo com o secretário, a verba para ampliar o programa viria do remanejamento de outras rubricas do Orçamento de 2021. “É um programa que tem funcionado. Se houver necessidade, é óbvio, respeitando nosso limite de gastos e a realocação do orçamento, [o Bolsa Família] pode ser, sim, revisto para cima”, disse Funchal.

 

>> Bolsa Família: Governo retoma processos e alterações na folha de pagamento

>> Começam pagamentos do Bolsa Família; veja se vai receber via Caixa Tem

>> Auxílio emergencial de R$ 300: veja o novo calendário do Bolsa Família

>> Bolsa Família: saiba se você começa a receber via Caixa Tem e como funciona

>> Entenda como Bolsa Família pode ser opção a auxílio emergencial em 2021

>> Beneficiário pode receber Bolsa Família através do Caixa TEM a partir de dezembro

 

Proposta com aumento

O secretário participou do lançamento de relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com recomendações ao governo brasileiro. Em entrevista de forma virtual, ele ressaltou que a proposta do Orçamento de 2021, em tramitação no Congresso, prevê aumento de R$ 5,4 bilhões na dotação do Bolsa Família, em relação a este ano.

“Esse aumento ocorreu pela expectativa de que, na esteira da pandemia da covid-19, mais famílias passem a se enquadrar nos critérios de admissibilidade do programa”, justificou Funchal.

 

>> Bolsa Família: Proposta prevê reajustes e pagamento de abono natalino

>> Expansão do Bolsa Família vai beneficiar cerca de 3 milhões de pessoas

>> Auxílio emergencial está acabando e governo discute nova prorrogação

>> O auxílio emergencial será prorrogado? Veja o que diz o Governo

>> Auxílio emergencial: Governo fala sobre possibilidade de mais pagamentos

 

Relatório da OCDE sugere reajuste

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sugeriu o reajuste do Bolsa Família, afirmando que os valores pagos pelo programa social recuaram 22% em termos reais (descontada a inflação), nos últimos 15 anos. A sugestão está no relatório sobre o Brasil, divulgado, nessa quarta (16). 

O relatório da OCDE informou que a correção do salário mínimo apenas pela inflação libera recursos para o aumento nos gastos do Bolsa Família.

A entidade ressaltou que esse ponto já está sendo posto em prática porque, em 2019, a fórmula de reajuste, que permitia aumentos acima da inflação caso houvesse crescimento econômico dois anos antes, expirou. Desde então, o mínimo tem sido reajustado apenas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Modernização cambial

Também presente ao lançamento do relatório, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse que o projeto de modernização cambial deve ser votado nesta semana. Segundo ele, a aprovação do projeto representa um avanço para o Brasil entrar na OCDE.

“A medida melhorará bastante o ambiente de negócios no país, com benefícios em termos de simplificação e agilidade para os investimentos estrangeiros diretos e em portfólio”, disse. Para Campos Neto, a mudança na legislação cambial construirá um marco legal seguro, simples e moderno para os operadores de câmbio, os investidores estrangeiros no Brasil e os investidores brasileiros no exterior.

Grupo das economias mais industrializadas do planeta, a OCDE tem parâmetros políticos, sociais, econômicos e ambientais para o ingresso. Desde 2017, o Brasil está em processo de ingresso na organização.

Vacinação

O secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, que também participou da entrevista, disse que a vacinação contra o novo coronavírus (covid-19) ajudará na recuperação econômica do país. “A vacinação contra o coronavírus será importantíssima para a população se sentir mais segura no Brasil, o que fará com que a economia volte com mais força”, disse.

Ele reiterou que o Ministério da Economia está empenhado em fornecer os recursos necessários para a compra de doses, de insumos e a realização de campanha de vacinação.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.