RETOMADA

Alunos do 3º ano da rede pública de Pernambuco retornam às aulas presenciais

Parte dos profissionais de Educação permanece em estado de greve. Segundo o governo, os professores que não comparecerem as escolas terão que apresentar justificativa

Alunos do 3º ano da rede pública de Pernambuco retornam às aulas presenciais

Os alunos do 3º ano foram os primeiros a voltar - Foto: Yacy Ribeiro/ JC Imagem

O retorno das aulas presenciais nas escolas da rede pública de Pernambuco aconteceu nesta quarta-feira (21). Os alunos do 3º ano foram os primeiros a voltar. Em uma Escola Técnica no bairro da Encruzilhada, no Recife, os alunos  foram recebidos por funcionários que verificaram a temperatura e disponibilizaram álcool em gel.

De acordo com a direção do colégio, além dos estudantes os professores também apareceram nesta manhã. Mas, segundo o secretário de Educação do Estado, Fred Amâncio, os profissionais ficaram reservados em uma sala onde a equipe de reportagem não foi permitida fazer imagens nem gravar entrevista. Também a equipe não teve acesso às salas no momento da aula.

>>Volta às aulas presenciais dos alunos da rede pública segue indefinido

O aluno Paulo Victor estava ansioso pelo volta e disse que se sente mais seguro estudando de forma presencial.

Aulas normais

Já em uma escola no bairro de Santo Amaro, também no Recife, o funcionário afirmou que as aulas estão normais. A estudante Júlia Moraes disse que na turma dela os professores compareceram.

Segunda determinação

Esta já é a segunda vez que o governo determina a volta das atividades presenciais nas escolas estaduais que funcionam com o 3º ano do ensino médio. Mas, de acordo com o Sindicato dos profissionais de Educação, parte da categoria aderiu a greve decretada nesta quarta-feira (21) alegando insegurança no retorno. Porém , segundo o Estado, as escolas estão funcionando dentro do protocolo de convivência com a covid-19. Ainda de acordo com o governo, os professores que não comparecerem à sala de aula deverão apresentar uma justificativa.

Multa diária

Sobre a decisão da greve o Tribunal de Justiça por meio do desembargador Fábio Eugênio Dantas de Oliveira Lima determinou para o sindicato uma multa diária a contar desta quarta-feira (21), no valor de R$ 100 mil caso o Sintepe descumpra a determinação judicial.

Nota do Sintepe

O Sintepe só vai se pronunciar quando for notificado pela Justiça. Os representes setoriais do Sindicato farão as visitas de verificação das escolas durante o dia de hoje como estavam sendo programadas. A assembleia da categoria de sexta-feira, 23, está mantida.

NOTA DO SINTEPE À CATEGORIA E À SOCIEDADE

Hoje, 21 de outubro, iniciamos uma nova etapa de luta. A nossa Greve em Defesa da Vida - #GreveEmDefesaDaVida, aprovada por 91,6% das mais de 1.500 pessoas presentes à Assembleia Geral Virtual da categoria é um marco histórico de resistência.

A decisão pela greve é resultado de muito debate entre nós e consequência da insistência e precipitação da Secretaria de Educação do Estado que atropela os encaminhamentos das negociações e de maneira unilateral impõe data para retorno às atividades presenciais nas escolas públicas estaduais. O roteiro de ações da comissão paritária deveria ser cumprindo, como por exemplo, a fiscalização completa das escolas que serão reabertas.

O Sintepe, em seus 30 anos de história, nunca se negou ao diálogo. Porém, vê, mais uma vez, a Secretaria de Educação cancelar um cronograma e agenda de reunião, optando pela judicialização da discussão da temática ao invés de respeitar o diálogo com os/as profissionais da educação. Estamos enfrentando até atitudes inadmissíveis, tais como pressão psicológica e ameaças à categoria. O Sintepe orienta que cada companheiro/a se mantenha firme na luta, cuja essência é coletiva. Assim, qualquer enfrentamento é de todos/as, através do Sindicato. É preciso denunciar as ações intimidatórias que venham a acontecer por parte de gestores/as. Faça a denúncia através do WhatsApp 81 99820.8585.

A Secretaria de Educação está realmente passando dos limites, impedindo até a entrada de representantes do Sintepe nos locais de trabalho, postura de governo autoritário. Uma prática que não condiz com um governo dito socialista. Aqui fica o nosso repúdio à essa prática e nos colocamos mais uma vez à disposição para o diálogo, na perspectiva de solucionarmos o impasse que ora vivenciamos.

O Estado de Pernambuco será responsável por casos de contágio e agravamentos decorrentes da abertura precoce e imprudente das escolas.

A DIREÇÃO

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.