DECISÃO

Médico acusado por morte de Artur Eugênio tem direito de exercer profissão cassado

Segundo as investigações, o crime foi motivado por desavenças entre o médico e a vítima

Médico acusado por morte de Artur Eugênio tem direito de exercer profissão cassado

Segundo as investigações, o crime foi motivado por desavenças entre ele e a vítima - Foto: Arquivo

O médico Cláudio Amaro Gomes, acusado pela morte do médico Arthur Eugênio, em 2014, teve o direito de exercer a profissão cassado nessa quinta-feira (22) pelo Conselho Federal de Medicina. A decisão foi unânime e aconteceu depois que os advogados de Cláudio Amaro recorreram da decisão do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco, que cassou o registro em 2018.

>>Médico de 26 anos morre em acidente após sair de plantão em Caruaru

O médico está preso desde 2014 pelo assassinato do colega de profissão Artur Eugênio. Segundo as investigações, o crime foi motivado por desavenças entre ele e a vítima.

>>Homem de 280kg tem atendimento médico negado no Hospital Getúlio Vargas

De acordo com a justiça, Cláudio Amaro teria sido o mandante do crime, que contou ainda com a participação do filho, Cláudio Amaro Gomes Filho, e outros três homens.

>>Familiares de menino que morreu prestam queixa contra médico de UPA

Relembre o caso

Artur Eugênio foi morto com tiros na cabeça e nas costas e teve o carro incendiado às margens da BR-101, em Jaboatão dos Guararapes.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.