doença

Recife registra aumento de 26% no número de casos de hanseníase

A doença surge com câimbras, dores nos braços e pernas. Em seguida, as manchas aparecem. Veja sintomas e forma de tratamento

Gustavo Henrique
Gustavo Henrique
Publicado em 12/11/2019 às 11:30
Reprodução/ Internet
FOTO: Reprodução/ Internet
Leitura:

A hanseníase, popularmente conhecida como lepra, é uma doença marcada pelo preconceito. O Recife registrou aumento no números de casos da enfermidade, segundo a Prefeitura da cidade. Em 2018, o município contabilizou 255 pacientes. Já até agora, neste ano, foram 322, um crescimento de 26,3%.

De acordo com a coordenadora do Programa de Controle a Hanseníase da Prefeitura do Recife, Sammea Grangeiro, esses números já eram esperados. Segundo os médicos, a enfermidade surge com câimbras, dores nos braços e nas pernas. Em seguida, as manchas na pele começam a aparecer.

>> Portadores de hanseníase são segregados no Brasil, diz relatora da ONU

Confira na reportagem

Hanseníase

A hanseníase é uma doença crônica e que tem como agente etiológico o bacilo Micobacterium leprae. A infecção por hanseníase pode acometer pessoas de ambos os sexos e de qualquer idade. No entanto, como salientou Alice Cruz, tem difícil transmissão, já que é necessário um longo período de exposição à bactéria, motivo pelo qual apenas uma pequena parcela da população infectada chega a realmente adoecer.

A doença é transmitida pelas vias áreas superiores (tosse ou espirro), por meio do convívio próximo e prolongado com uma pessoa doente sem tratamento. A hanseníase apresenta longo período de incubação, ou seja, há um intervalo, em média, de 2 a 7 anos, até que sintomas se manifestem. De acordo com o Ministério da Saúde, já houve, porém, casos atípicos, em que esse período foi mais curto - de 7 meses - ou mais longo - de 10 anos.

A hanseníase provoca alterações na pele e nos nervos periféricos, podendo ocasionar, em alguns casos, lesões neurais, o que gera níveis de incapacidade física. Os estados do Maranhão e do Pará são os que concentram mais quadros do grau 2 de incapacidade física, quando a análise se restringe a pacientes com até 15 anos de idade, enquanto o Tocantins tem a maior taxa entre a população geral, de todas as faixas etárias.

Tratamento

O tratamento da hanseníase é feito com uso de antibióticos. Quanto mais cedo o paciente procurar o médico, mais rápida é a cura. É importante ressaltar que a hanseníase é uma doença contagiosa, transmitida pela saliva, espirro ou, até mesmo, a tosse. Aos sinais de primeiros sintomas, a recomendação é procurar um médico.

+VÍDEOS