Reunião

Donos de empresas de ônibus e representantes dos rodoviários não entram em acordo, mas greve pode ter fim nesta quarta


A categoria irá votar a suspensão até o julgamento do dissídio de greve pelo TRT 6ª Região

Com informações do JC Online
Com informações do JC Online
Publicado em 23/12/2020 às 11:40
Sem Crédito
FOTO: Sem Crédito
Leitura:

Os donos de empresas de ônibus e representantes dos rodoviários se reuniram, durante uma audiência de conciliação, na manhã desta quarta-feira (23), no Tribunal Regional do Trabalho, para tentar negociar o fim da paralisação. Porém, eles não chegaram a nenhum acordo.

>>2º dia da greve tem movimento 'um pouco maior' de coletivos no Grande Recife

Entretanto, a boa notícia é que a greve pode ser suspensa ainda na tarde desta quarta, segundo dia da paralisação na Região Metropolitana do Recife. A categoria irá votar a suspensão até o julgamento do dissídio de greve pelo TRT 6ª Região para o dia 28 de dezembro. A proposta será levada à categoria, em Santo Amaro, Área Central do Recife.

>>Confira mudanças no Metrô do Recife por causa da greve dos Rodoviários

Reunião

A reunião foi de forma remota.

>>Greve dos Rodoviários tem início na Região Metropolitana do Recife

"Greve de ônibus é injustificável", diz presidente da Urbana-PE

Em entrevista a Rádio Jornal nesta quarta-feira (23), o presidente do Sindicato das Empresas de Ônibus de Pernambuco (Urbana-PE), Fernando Bandeira, avaliou que o movimento da categoria está enfraquecido neste segundo dia da greve de ônibus orquestrada pelo Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco

“Em relação ao movimento paredista, todos verificam que hoje estão rodando mais ônibus do que ontem. Isso significa um enfraquecimento do movimento grevista (...) A audiência de hoje é para resolver o movimento grevista. Não tem nada a ver com aquilo que já foi resolvido. Salário, valor de tíquete e não demitir ninguém já foram resolvidos. Ela [a audiência] vai analisar essa greve, se é legal ou não”, disse. “Essa greve é totalmente injustificável. Eu acredito que a partir de meio-dia ainda perderá mais força e amanhã estará normal o transporte na Região Metropolitana do Recife”, afirmou.

Movimento político-partidário

Para Fernando Bandeira, a greve dos rodoviários é um movimento político-partidário. “Eu acho que a senhora desembargadora, dra. Dione, uma pessoa muito educada e preparada, vai convencer a categoria obreira de que esse movimento não leva a nada. Eu acho que esse movimento trabalha muito a parte político-partidária e não política-sindical. O discurso sempre é sobre a dupla função. Ele sabe que isso já foi votado no tribunal e é inconstitucional”, disparou.

Contratações

O presidente da Urbana-PE voltou a destacar que as empresas estão contratando motoristas para garantir a circulação de coletivos “Estamos contratando. Você tem que atender a decisão judicial (...) Não podemos ficar aquém de um sindicato de rodoviários. Não posso trazer mais prejuízo para o comércio, indústria e a população como um todo”, garantiu.

2º dia

Nesta quarta-feira (23), segundo dia da greve dos rodoviários na Região Metropolitana do Recife, a movimentação dos coletivos na Área Central da capital pernambucana é um pouco maior do que a registrada nesta terça-feira (22). Contudo, o movimento de ônibus nas ruas e avenidas ainda é pequeno, se comparado aos dias de operação normal.

Justiça

Nessa terça-feira (22), a Justiça do Trabalho determinou que os rodoviários coloquem pelo menos 50% da frota de ônibus para circular nas ruas do Grande Recife, das 05h às 09h e das 16h às 20h (horários de pico), e de 30% nos outros horários.

Multa

Em caso de descumprimento da decisão, a multa estabelecida é de R$ 100.000,00. A desembargadora Diones Nunes Furtado da Silva, do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região, também determinou outras medidas, como a proibição de bloqueios de saídas de coletivos das garagens das empresas de ônibus. Foi determinada também uma audiência de conciliação e instrução, que vai ser realizada nesta quarta-feira (23), às 10h00, de maneira online.

Greve

A greve dos motoristas e cobradores de ônibus do Grande Recife teve início nesta terça-feira (22). De acordo com o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco, Aldo Lima, não há perspectiva de nova negociação entre rodoviários, empresários e o governo de Pernambuco, gestor do sistema de transporte da Região Metropolitana do Recife. A categoria, inclusive, garante nem querer fazer negociação.

“Não vamos mais negociar nada. Vamos para a greve e com força total. A categoria está revoltada. Fomos enganados uma vez e não seremos novamente. Como já disse, os empresários de ônibus fizeram todo mundo de besta: os rodoviários, o governo de Pernambuco e até mesmo o Tribunal Regional do Trabalho (TRT da 6ª Região), que mediou o acordo totalmente descumprido”, afirmou Aldo Lima em entrevista ao Jornal do Commercio.

Dupla função

Os rodoviários cobram o fim da dupla função para motoristas, que passaram a acumular a função que era exercida pelos cobradores. A categoria também cobram o pagamento de reajuste retroativo de salários, repasse de vales de alimentação e garantia de emprego de seis meses.

Metrô do Recife

Por causa da greve dos rodoviários, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) anunciou que o horário de pico do Metrô do Recife será ampliado na manhã e à tarde em 1h a partir da próxima terça-feira (22).

É no horário de pico do sistema que há maior número de passageiros transportados e, por isso, maior quantidade de trens em operação. Por nota, a CBTU Recife afirma que a medida visa beneficiar os passageiros proporcionando mais viagens de trens, para facilitar o deslocamento na região metropolitana.

Determinação

Ainda em virtude do movimento paredista, o Governo de Pernambuco determinou que as empresas de ônibus devem colocar em circulação 70% da frota nos horários de pico, das 5h às 9h e das 16h às 20h. Nos demais horários, o quadro de ônibus nas ruas deverá ser de 50%, segundo o consórcio, que ainda cita o momento de calamidade pública por causa da pandemia de covid-19 como fator de necessidade para o cumprimento dos percentuais definidos.