Denúncia

Pacientes reclamam de falta de medicamentos na Farmácia do Estado

Os pacientes e suas famílias sofrem com a falta de medicamentos na Farmácia do Estado. A maioria não tem como comprar, e quem consegue solução, fica em dívida

Suzyanne Freitas
Suzyanne Freitas
Publicado em 19/05/2021 às 11:30
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
FOTO: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Leitura:

Os pacientes que dependem dos remédios da Farmácia do Estado estão voltando para suas casas de mãos vazias e sem previsão para receber as medicações. Um medicamento em falta é a Spiriva, desde fevereiro. A Humira, para tratar artrite, também não está no estoque. Outro, em falta há pelo menos três meses, é a insulina, para tratar diabetes.

Necessidade

A dona de casa, Maria das Graças, faz o que pode para cuidar da mãe, uma senhora de 80 anos que sofre de uma disfunção pulmonar. Ela precisa do medicamento Spiriva para ter uma melhor qualidade de vida. No entanto, desde fevereiro deste ano, está sem receber o remédio, entregue pela farmácia. Nas drogarias, a medicação custa quase R$ 400, um valor alto para a família, que vive com apenas um salário mínimo.

A aposentada Iara Cavalcanti revela que tem usado o cartão de crédito para comprar o remédio, diante da falta na Farmácia do Estado. Contudo, ela pede urgência na solução do problema, já que não tem condições de ficar arcando com essa despesa.

Já o motoboy Michel Souza afirma não poder fazer o mesmo. A sogra dele toma Humira, um remédio para artrite, que pode custar até R$ 10 mil, segundo ele. No mês passado, a família precisou pedir emprestado a um amigo para não ter que interromper o tratamento.

>> 11 mil pacientes da Farmácia do Estado passarão a receber medicamentos em casa

Resposta

A Farmácia do Estado informou que a insulina Lantus já foi comprada, e agora aguarda a chegada do medicamento, prevista para amanhã. Sobre a insulina Asparte, a farmácia diz que a distribuição é de responsabilidade do Ministério da Saúde, e não há em estoque.

Com relação ao medicamento Spiriva, o órgão disse que 8 mil unidades foram compradas, e 1,7 mil já estão à disposição do público. Sobre o medicamento Humira, a farmácia desmentiu a falta e disse que tem estoque para atender os pacientes por dois meses.

+VÍDEOS