COMBATE AO CORONAVíRUS

Rússia registra 1ª vacina contra coronavírus; Filha do presidente Putin já foi vacinada

Aplicação em massa da vacina russa pode começar já em outubro. Segundo ministro, a vacina deve promover a imunidade por até dois anos.

Rússia registra 1ª vacina contra coronavírus; Filha do presidente Putin já foi vacinada

A Rússia se tornou o primeiro país a registrar oficialmente uma vacina contra o coronavírus e declará-la pronta para uso - Foto: Robson Valverde/SES-SC

Com informações do UOL e AP News

Nesta terça-feira (11), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou que o país se tornou o primeiro a registrar oficialmente uma vacina contra o coronavírus (covid-19) e declará-la pronta para uso. 

>> Putin anuncia que Rússia registrou 1ª vacina contra coronavírus

>> Rússia conclui pesquisa e planeja ter vacina contra coronavírus em agosto

 

 

Filha vacinada

Durante uma reunião do governo, nesta terça-feira (11), Vladimir Putin enfatizou que a vacina passou por testes adequados e se mostrou eficaz e segura para uso, oferecendo imunidade duradoura ao coronavírus. Ele informou ainda que uma de suas filhas já foi vacinada. 

A filha do líder russo teria recebido duas injeções da vacina e estaria se sentindo bem. "Ela participou do experimento", disse. De acordo com Putin, a filha teve uma temperatura de 38°C, no dia da primeira injeção da vacina, e caiu para pouco mais de 37° C, no dia seguinte. Depois da segunda injeção, ela teve novamente um ligeiro aumento de temperatura e, em seguida, tudo acabou, segundo o presidente.

"Ela está se sentindo bem e tem um grande número de anticorpos", acrescentou Putin. Ele não especificou qual de suas duas filhas, Maria ou Katerina, recebeu a vacina.

Segundo afirmou o ministro da Saúde russo, nesta terça-feira (11), a vacina deve promover a imunidade por até dois anos.

Vacinação deve começar em breve na Rússia

A vacinação na Rússia irá começar enquanto  os testes de Fase 3 continuam, conforme informou o professor Alexander Gintsburg, chefe do Instituto Gamaleya que desenvolveu a vacina. Inicialmente, haverá apenas doses para realizar a vacinação em 10 a 15 das 85 regiões da Rússia, conforme revelou o professor, de acordo com a agência de notícias Interfax. A produção em grande escala da vacina deverá ter início em setembro e a vacinação em massa pode começar já em outubro, de acordo com as autoridades russas.

Segundo o presidente russo, a vacina será voluntária. Por lá, médicos, professores e outros grupos de risco será os primeiros imunizados. A Vice-Primeira-Ministra Tatyana Golikova informou também que a vacinação de médicos deve ter início ainda neste mês.

Quando a pandemia atingiu a Rússia, Putin ordenou que as autoridades estaduais reduzissem o tempo dos testes clínicos para vacinas potenciais contra o coronavírus. A Rússia registrou 897.599 casos de coronavírus e 15.131 mortes pela doença.

>> Covid-19: MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina

>> Covid-19: Vacina do Instituto Butantan deve estar disponível em janeiro

>> Projeto prevê quem serão os primeiros vacinados contra a covid-19

>> Vacina contra coronavírus só a partir de 2021, informa Fiocruz

 

Testes

Os estudos humanos tiveram início no dia 17 de junho e contaram com 76 voluntários. Metade do grupo recebeu a injeção com a vacina em estado líquido e outra metade tomou a vacina feita por meio de pó solúvel.

Alguns dos voluntários foram recrutados do serviço militar, o que levantou a preocupação de que os militares tenham sido pressionados a participar.

>> Recife é a 2º capital do Nordeste com maior taxa de mortalidade devido ao coronavírus

>> Teste positivo para coronavírus em quem já teve a doença leva cientistas a investigarem se é possível reinfecção

>> Covid-19 põe em risco anos de progresso em saúde nas Américas, diz OMS

>> OMS: Índice de jovens com coronavírus triplica em 5 meses no mundo

 

Alerta

Apesar de ser uma aparente boa notícia, cientistas nacionais e internacionais alertam, no entanto, que a pressa em começar a usar a vacina contra o coronavírus antes dos testes da fase 3 pode ser um problema. Esses testes, normalmente, duram meses e envolvem milhares de pessoas.

Quando os testes foram declarados concluídos, surgiram dúvidas sobre a segurança e eficácia da vacina. Alguns especialistas zombaram das garantias das autoridades russas de que a vacina produziu a resposta imunológica desejada e não causou efeitos colaterais significativos, apontando que tais alegações precisam ser apoiadas por dados científicos publicados.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que todas as vacinas candidatas devem passar por estágios completos de testes antes de serem lançadas. Os especialistas destacaram ainda que as vacinas que não são testadas corretamente podem causar danos de várias maneiras - desde um impacto negativo na saúde até a criação de uma falsa sensação de segurança ou até minando a confiança da população nas vacinas. 

>> Nova síndrome em crianças associada ao coronavírus é monitorada; entenda a doença

>> Coronavírus: Mulheres são mais afetadas por crise econômica na pandemia

>> Coronavírus: Araripina e Ouricuri retrocedem no Plano de Convivência e entram em isolamento social rígido

>> Infectologista explica que transporte público pode ser vetor importante na propagação do coronavírus

>> Coronavírus: Pernambuco regulamenta lei que torna obrigatório o uso de máscaras

 

OMS

A OMS (Organização Mundial da Saúde) informou estar em contato com as autoridades russas sobre o andamento das pesquisas relacionadas à vacina anunciada pelo Kremlin. No entanto, destaca que o produto ainda não passou por uma avaliação da entidade.

De acordo com a OMS, qualquer vacina que seja considerada para ser pré-qualificada precisa passar por um exame "rigoroso" no que se refere a "segurança e eficiência".

 

>> Infectologista responde como algumas pessoas possuem defesa contra o novo coronavírus mesmo sem terem sido infectadas

>> Coronavírus: Procape fecha enfermaria e UTI pediátrica por causa de funcionários doentes

>> Professora, paciente de número 2.500 diagnosticada no Recife com coronavírus recebe alta

 

Vacinas pelo mundo

Em mapeamento realizado pela OMS sobre as mais de 160 vacinas pelo mundo que estão sendo pesquisadas, o produto russo não aparecia, até a última atualização, em 31 de julho, como uma das seis mais avançadas nos testes clínicos.

Seis delas estavam em fase três, entre elas a vacina contra o coronavírus que é desenvolvida pela Universidade de Oxford, que tem parceria com a Fiocruz para a produção de 100 milhões de doses no Brasil, e a vacina contra a covid-19 realizada em cooperação entre o Instituto Butantan e uma empresa chinesa.

A vacina russa, naquele momento, aparecia apenas na primeira fase de testes, o que significaria meses, até uma eventual conclusão de seus exames.

Na corrida para o lançamento da vacina contra o coronavírus, no último mês, os Estados Unidos, Inglaterra e Canadá acusaram a Rússia de usar hackers para roubar pesquisas relacionadas a vacina.

 

>> Mulher com doença na mama faz apelo para conseguir atendimento no SUS
>> Mãe enfrenta problema de saúde, perde auxílio do governo e faz apelo para cuidar da filha com deficiência intelectual e epilepsia
>> Campanha incentiva doação de sangue no Brasil
>> Grávida afirma ter sido vítima de golpe e precisa de doações após ficar sem benefício do governo
>> ONG distribui 450 refeições para comunidade em Olinda; veja como doar

 

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

 

>> Núcleo de Apoio à Criança com Câncer afirma que doações caíram pela metade por causa do coronavírus
>> Pandemia do coronavírus: Lar do Neném pede doações para se manter
>> Delegacia de Boa Viagem e ONG fazem campanhas para arrecadar doações
>> Hospital de Câncer precisa de ajuda para continuar atendendo pacientes
>> Paróquia do Santíssimo Sacramento de Santo Antônio realiza campanha de arrecadação de máscaras para moradores de rua

 

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada: 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.