CORONAVÍRUS

PE: Casos de síndrome rara associada à covid-19 em crianças aumentam

Quatro novos casos da síndrome associada à covid-19 foram confirmados, pela Secretaria de Saúde de Pernambuco

PE: Casos de síndrome rara associada à covid-19 em crianças aumentam

Pernambuco está ampliando a capacidade de testagem da população - Foto: Wellington Lima/ JC Imagem

Subiu para 22 o número de casos da síndrome inflamatória pediátrica associada à covid-19, em Pernambuco, segundo dados divulgados pela Secretaria de Saúde do Estado, nessa terça-feira (22).

Quatro novos casos da doença foram confirmados, pelo órgão. As vítimas tinham ente 1 e 14 anos de idade e moravam no Recife, em Jaboatão dos Guararapes, na RMR, e em Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata.

>> Infectologista acredita em número maior de casos da síndrome rara associada à covid-19 no Recife

>> Síndrome rara pode atingir crianças e adolescentes que não foram infectadas pela covid-19, afirma pediatra

Todas já receberam alta. Duas meninas, moradoras do Recife, uma com 11 anos e outra com 1 ano e 11 meses, morreram vítimas da doença.

Casos

Do total de casos, 20 são de Pernambuco:

Recife (6 - entre eles, 2 óbitos), Caruaru (2), Ipojuca (1), Jaboatão dos Guararapes (3), Goiana (1), Sirinhaém (1), Joaquim Nabuco (1), Limoeiro (1), Timbaúba (1), Flores (1), Santa Cruz do Capibaribe (1), Vitória de Santo Antão (1) -

Dois casos são de outros estados (Alagoas e Piauí), mas procuraram atendimento médico em PE.

Sintomas

Entre os sintomas da síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica associada à covid-19, estão febre persistente, acompanhada de um conjunto de manifestações, como pressão baixa, conjuntivite, manchas no corpo, diarreia, intensa dor abdominal, náuseas, vômitos e comprometimento respiratório, entre outros sinais.

Risco de contaminação

A pediatra Ângela Rocha contou que as vítimas podem apresentar os sintomas da síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica dentro de dias ou semanas, mesmo que não tenha sido infectada pelo novo coronavírus.

Essa questão também foi comentada pelo presidente do Cremepe e ele afirmou que se trata de um ‘’grande problema’’. "A criança é assintomática. Esse é o grande problema. Ela pode ter a doença e não apresentar os sintomas (no caso da covid-19)'', explicou. 

 

>> Apesar de síndrome, infectologista não vê problema em retorno das aulas para ensino básico: ‘’são casos raros’’

>> Secretário de Saúde nega que volta às aulas presenciais esteja relacionada com síndrome rara associada ao coronavírus

 

Medicamento

De acordo com o presidente do Conselho Regional de Medicina (Cremepe), Mário Fernando Lins, o medicamento já está disponível na rede pública de saúde e os hospitais de referência podem fazer a solicitação

Os casos da síndrome rara associada à covid-19 atinge crianças e adolescentes."Nós conseguimos a garantia de mais 20 leitos de UTI para crianças; a imunoglobulina, que é importante na fase aguda da doença, já está viável na rede pública (de saúde) e os gestores podem solicitar dos estoques que foram remanejados. Os casos que são diagnosticados são encaminhados’’, afirmou. 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.