SOCIEDADE

Observatório de Favelas destaca racismo estrutural no impacto da covid-19

Estudo ressalta que contaminação pela covid-19 (novo coronavírus) atinge bairros com menos renda

Observatório de Favelas destaca racismo estrutural no impacto da covid-19

O estudo evidencia que o maior número de óbitos ocorre em alguns dos bairros em que a presença da população negra, considerados os pretos e pardos somados, supera 60% - Foto: Simon Plestenjak/UOL

Agência Brasil

A sétima edição do Mapa Social do Corona, produzida pelo Observatório de Favelas, destaca o peso do racismo estrutural no impacto da covid-19 sobre as populações negras e faveladas do Rio de Janeiro.

 

Para o Observatório, esse é um dado fundamental para entender os efeitos da pandemia na sociedade brasileira. De acordo com a publicação, quase 40% dos casos no Rio de Janeiro, tanto os confirmados como os óbitos, têm insuficiência de informação sobre a incidência da doença nessa população.

 

>> Rússia registra 1ª vacina contra coronavírus; Filha do presidente Putin já foi vacinada

>> Vacina contra coronavírus só a partir de 2021, informa Fiocruz

>> Recife é a 2º capital do Nordeste com maior taxa de mortalidade devido ao coronavírus

>> Teste positivo para coronavírus em quem já teve a doença leva cientistas a investigarem se é possível reinfecção

 

“Tal prática revela outra face do racismo institucional nas práticas governamentais da gestão de saúde. Desconsiderar a importância destes dados é também minimizar a vida e o direito à saúde da maior parcela da população brasileira”, indica o mapa.

O mapa indicou também que, apesar da contaminação comunitária ter começado pela zona sul da cidade, considerados de renda mais alta, os bairros que registraram mais casos e maior número de óbitos foram os mais interiorizados, com menos renda e maior presença da população mais empretecida. 

“Até a realização deste texto, a taxa de letalidade na zona sul do Rio de Janeiro é de 5% de óbitos, ao passo que em uma favela em Campo Grande esta taxa chega a 26,9% de óbitos”, diz o estudo.

 

>> Covid-19 põe em risco anos de progresso em saúde nas Américas, diz OMS

>> OMS: Índice de jovens com coronavírus triplica em 5 meses no mundo

>> Nova síndrome em crianças associada ao coronavírus é monitorada; entenda a doença

>> Coronavírus: Mulheres são mais afetadas por crise econômica na pandemia

 

Óbitos

O estudo evidencia que o maior número de óbitos ocorre em alguns dos bairros em que a presença da população negra, considerados os pretos e pardos somados, supera 60%. Com exceção da Barra da Tijuca, na zona oeste, bairro com características de classe média alta, todos os bairros de classes mais ricas da cidade têm uma proporção de óbitos baixa, excluídos os que também têm favelas e/ou áreas de grande densidade populacional, como Copacabana, na zona sul, e a Tijuca, na zona norte.

 

>> Coronavírus: Pernambuco regulamenta lei que torna obrigatório o uso de máscaras

>> Professora, paciente de número 2.500 diagnosticada no Recife com coronavírus recebe alta

>> Infectologista explica que transporte público pode ser vetor importante na propagação do coronavírus

>> Infectologista responde como algumas pessoas possuem defesa contra o novo coronavírus mesmo sem terem sido infectadas

 

Ainda de acordo com o estudo, a desigualdade pode ser percebida também quando se avalia o perfil etário dos óbitos. Na Cidade de Deus, por exemplo, a taxa de óbitos entre as faixas de 20 anos até 49 anos de idade chega a 3,92% ser mais que o dobro do que na Barra da Tijuca, com 1,64%. A média de idade geral de óbitos pela covid-19 em Botafogo é de 77,9 anos. Na Rocinha, o número cai para 68,7 anos, o que evidencia uma diferença de quase 10 anos entre o bairro de classe média e a favela.

Para Observatório de Favelas essas análises e resultados de edições anteriores mostram como a distribuição majoritária das populações negras nos bairros periféricos e favelas correspondem às desigualdades no impacto que a covid-19 tem sobre diferentes locais na cidade, ainda que haja subnotificação dos casos, grande dificuldade de acesso ao atendimento formal e aumento das mortes domiciliares, principalmente nos territórios mais vulneráveis.

 

>> Coronavírus: Procape fecha enfermaria e UTI pediátrica por causa de funcionários doentes

>> Coronavírus: Araripina e Ouricuri retrocedem no Plano de Convivência e entram em isolamento social rígido

>> Anvisa autoriza mudanças em teste da vacina contra o coronavírus

>> Hormônio do exercício pode modular genes relacionados ao coronavírus

 

Equipamentos de saúde

Outra constatação do mapa é que a distribuição de equipamentos de saúde é menor em bairros populares, principalmente no extremo das zonas norte e oeste. Isso, para o estudo, impõe barreiras para essa parcela da população tanto para o primeiro atendimento para a covid-19 em unidades básicas de saúde, como para alcançar leitos em hospitais como respirador disponível.

De acordo com o Painel Rio Covid-19, da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), divulgado ontem (10), Campo Grande (459), Bangu (392), Copacabana (302), Realengo (297) e Tijuca (243) são os bairros com mais casos de óbitos em 2020, desde o início da pandemia.

Ainda conforme a SMS, a população parda é a que tem maior percentual dos casos confirmados (38,83%), seguida a banca (29,85%), de raça ignorada (22,35%) que pode ser por falta de autodeclaração, amarela (4,73%), preta (4,08%) e indígena (0,16%).

 

>> Rede de Bancos Populares de Alimentos é lançada neste sábado (8)
>> Mulher com doença na mama faz apelo para conseguir atendimento no SUS
>> Mãe enfrenta problema de saúde, perde auxílio do governo e faz apelo para cuidar da filha com deficiência intelectual e epilepsia
>> Campanha incentiva doação de sangue no Brasil
>> Grávida afirma ter sido vítima de golpe e precisa de doações após ficar sem benefício do governo
>> ONG distribui 450 refeições para comunidade em Olinda; veja como doar

 

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

 

>> Núcleo de Apoio à Criança com Câncer afirma que doações caíram pela metade por causa do coronavírus
>> Pandemia do coronavírus: Lar do Neném pede doações para se manter
>> Delegacia de Boa Viagem e ONG fazem campanhas para arrecadar doações
>> Hospital de Câncer precisa de ajuda para continuar atendendo pacientes
>> Paróquia do Santíssimo Sacramento de Santo Antônio realiza campanha de arrecadação de máscaras para moradores de rua

 

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada: 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.