BALANçO

Covid-19: Média diária e número semanal de mortes aumentam no Brasil

A subida inverteu a tendência de queda dos números do novo coronavírus (covid-19), iniciada no fim do mês de julho, após uma estabilização durante dois meses.

Covid-19: Média diária e número semanal de mortes aumentam no Brasil

Síndrome rara estaria associada à infecção pelo coronavírus - Foto: Pixabay

Agência Brasil

As mortes em função da covid-19 subiram 4% na última semana epidemiológica em comparação com a anterior. Já os casos confirmados relacionados ao novo coronavírus caíram 13% também em relação à última.  

Os dados foram apresentados nessa quarta-feira (26) pela equipe do Ministério da Saúde, em entrevista online sobre o novo Boletim Epidemiológico da covid-19, em Brasília.

 

>> Novo coronavírus: Reinfecções criam dúvidas sobre imunidade

>> Pesquisadores afirmam ter descoberto primeiro caso de reinfecção do coronavírus e médico alerta: ''tudo indica que isso pode acontecer''

>> Nova síndrome em crianças associada ao coronavírus é monitorada; entenda a doença  

 

Evolução

A semana epidemiológica é uma medida utilizada por autoridades de saúde para avaliar a evolução de epidemias, como é o caso da relacionada ao novo coronavírus. A 34ª semana foi considerada entre os dias 16 e 22 de agosto.

As mortes por covid-19 totalizaram 7.018 na 34ª semana epidemiológica. Na 33ª, o boletim do Ministério da Saúde registrava 6.755 óbitos.

A média diária voltou a ultrapassar os 1.000 óbitos, depois de baixar deste patamar nas semanas anteriores. A subida inverteu a tendência de queda iniciada no fim do mês de julho, após uma estabilização durante dois meses.

No recorte por regiões, o crescimento se deu, sobretudo, no Sudeste, que possui média diária de 457 mortes, e no Centro-Oeste, com média de 149 falecimentos. Já o Nordeste continuou o movimento de queda, caindo para 207 óbitos por dia. O Norte também caiu, com 54 mortes por dia.

 

>> Estudo afirma que 1 em cada 16 pacientes do coronavírus desenvolve doença mental em três meses

>> Pernambuco é o Estado que menos realizou testes para detectar o coronavírus na população, aponta IBGE

>> Pernambuco é um dos cinco estados com mais mortes por covid-19 

>> Após China detectar coronavírus em frango importado do Brasil, infectologista faz alerta sobre alimentos 

 

Casos

Em relação ao número de casos, enquanto na 33ª semana o total de pessoas infectadas registradas foi de 304,6 mil, nesta última (34ª) a soma ficou em 265,2 mil. A curva de casos começou a crescer em abril, disparou em maio e junho, começou a estabilizar entre junho e julho, oscilou e começou a cair no meio de julho, até experimentar a queda de 13% agora.

“A queda é observada quando a gente compara as semanas anteriores. Na 34ª, houve diminuição bastante importante, com média diária de 37.895, quando nas anteriores estava na casa dos 43 mil. Quando comparamos por região vemos que esta redução foi distribuída em quase todas as regiões”, analisou o diretor do Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis, Eduardo Macário.

 

>> Rússia registra 1ª vacina contra coronavírus; Filha do presidente Putin já foi vacinada

>> Recife é a 2º capital do Nordeste com maior taxa de mortalidade devido ao coronavírus

>> Teste positivo para coronavírus em quem já teve a doença leva cientistas a investigarem se é possível reinfecção

>> Imunidade contra o coronavírus? Vacina da Rússia pronta? Médica faz alertas

 

Regiões e estados

De acordo com o Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, seis estados tiveram alta de casos, três ficaram estabilizados e 18 apresentaram redução. Os locais onde houve maior acréscimo foram Rio de Janeiro (64%) e Amapá (24%). Já as maiores quedas ocorreram em Roraima (39%) e São Paulo (32%).

Quando consideradas as mortes, 13 Unidades da Federação tiveram elevação, duas estabilizaram e 12 registraram decréscimo. Os estados com maiores crescimentos foram Pará (89%) e Rio de Janeiro (62%). Já as maiores reduções se deram em Roraima (48%) e Rondônia (32%).

 

>> Covid-19 põe em risco anos de progresso em saúde nas Américas, diz OMS

>> OMS: Índice de jovens com coronavírus triplica em 5 meses no mundo

>> Coronavírus: Mulheres são mais afetadas por crise econômica na pandemia

>> Pernambuco investiga suspeita de morte por coronavírus em navio atracado em Suape

>> Apesar da lei, população segue sem usar máscara contra coronavírus em Pernambuco

 

Testes

Até o momento, foram distribuídas aos estados 6,1 milhões de reações para testes laboratoriais (RT-PCR). Os estados mais contemplados foram São Paulo (974 mil), Rio de Janeiro (882 mil) e Paraná (826 mil).

Deste total, foram analisados 2,6 milhões de exames pela rede pública. A média semanal desde o início da pandemia é de 87,8 mil. Já a rede privada realizou 2,1 milhões de testes, totalizando 4,8 milhões.

Reinfecção

Perguntado por jornalistas sobre casos de reinfecção, Eduardo Macário afirmou que não foram encontradas situações ainda no Brasil. “Uma segunda infecção é evento raríssimo que precisa ser investigado com máxima cautela. Somente um caso foi identificado em um laboratório de Hong Kong, que teve vírus de diferente tipo”, informou.

Ele acrescentou que o que há são falsos positivos ou detecção de partículas inertes que permaneceram nos organismos, mas não que não se trata de reinfecção. “O Ministério da Saúde tem acompanhado casos e contando com apoio das secretarias e dos três laboratórios de referência nacional que estão apoiando o Ministério da Saúde na elucidação destes casos, a Fiocruz, Instituto Evandro Chagas e Instituto Adolfo Lutz que têm envidado esforços para esclarecer esta situação”, completou.

Balanço

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, o Brasil acumula  3.717.156 de casos confirmados da doença, sendo que 78,3% dos infectados já se recuperaram. Ocorreram 117.666 mortes por covid-19. E 690.642 pacientes ainda estão em acompanhamento. 

 

>> Rede de Bancos Populares de Alimentos é lançada; veja como ajudar
>> Mulher com doença na mama faz apelo para conseguir atendimento no SUS
>> Mãe enfrenta problema de saúde, perde auxílio do governo e faz apelo para cuidar da filha com deficiência intelectual e epilepsia
>> Campanha incentiva doação de sangue no Brasil
>> Grávida afirma ter sido vítima de golpe e precisa de doações após ficar sem benefício do governo
>> ONG distribui 450 refeições para comunidade em Olinda; veja como doar

 

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

 

>> Núcleo de Apoio à Criança com Câncer afirma que doações caíram pela metade por causa do coronavírus
>> Pandemia do coronavírus: Lar do Neném pede doações para se manter
>> Delegacia de Boa Viagem e ONG fazem campanhas para arrecadar doações
>> Hospital de Câncer precisa de ajuda para continuar atendendo pacientes
>> Paróquia do Santíssimo Sacramento de Santo Antônio realiza campanha de arrecadação de máscaras para moradores de rua

 

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada: 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.