DINHEIRO

Auxílio Brasil: O que muda no 'novo' Bolsa Família? Será preciso fazer recadastramento? Pode usar o cartão antigo? Especialista responde

O economista Edgard Leonardo conversou, nesta terça-feira (17) com a reportagem da TV Jornal, em entrevista ao vivo ao programa Por Aqui e tirou dúvidas sobre novo programa.

Auxílio Brasil: O que muda no 'novo' Bolsa Família? Será preciso fazer recadastramento? Pode usar o cartão antigo? Especialista responde

Economista Edgar Leonardo durante entrevista ao vivo ao programa Por Aqui, nesta terça-feira (17). - Foto: Reprodução/TV Jornal

Na última semana, a medida provisória do Auxílio Brasil foi encaminhada pelo presidente Jair Bolsonaro para a Câmara dos Deputados e Congresso Nacional. A proposta do Governo Federal é iniciar o novo modelo de auxílio a partir do mês de novembro, assim que a última parcela do Auxílio Emergencial for repassada para a população. Na prática, o Auxílio Brasil terá o intuito de substituir o Bolsa Família, que é pago para famílias em situação de vulnerabilidade em todo o país.

Em entrevista recente à imprensa, o presidente Bolsonaro prometeu que o novo auxílio terá um ajuste de 50% em cima do valor do Bolsa Família. O benefício de R$189,00  passaria para um valor próximo a R$300,00. O tema deve ser votado nos próximos 119 dias para ser aprovado ou não. O Governo separou nove categorias de pessoas que terão direito ao dinheiro. Entre elas, famílias com crianças de até três anos.

O economista Edgard Leonardo conversou, nesta terça-feira (17) com a reportagem da TV Jornal durante entrevista ao vivo ao programa Por Aqui. Ele reforçou que quem já é assisto pelo Bolsa Família não precisa se preocupar com a provável mudança, e tirou dúvidas da população sobre o assunto. 

"O novo projeto tem um núcleo central com três benefícios. Um benefício destinado a atender famílias com crianças de até três anos, outro benefício para atender o núcleo familiar, que é similar ao Bolsa Família, e outro auxílio destinado à superação da pobreza, ou seja, seria calculado para que a renda média da família pudesse superar os níveis de pobreza", explicou o economista. 

Assista na reportagem

Tire suas dúvidas

Será preciso trocar o Cartão do Bolsa Família? 

"A princípio, o que tem sido posto é que não haverá nenhuma modificação na operação. Inclusive nos dados e revisão. Na verdade, o que vai ser feito é que quem tem cadastro no Centro de Referência de Assistência Social - CRAS e já recebe o Bolsa Família, já está em processo de avaliação para ser atendido pelo novo benefício que deve vir no mês de outubro", explicou Edgar Leonardo. 

>>>Valor recebido no Auxílio Brasil pode ser aumentado com benefícios extras; saiba mais sobre programa que substituirá Bolsa Família e Auxílio Emergencial

Ainda poderá sacar com o Cartão do Bolsa Família ?

"A gente ainda precisa que isso seja votado por deputados e senadores para que tenhamos mais detalhes. Mas, a princípio, o que está sendo posto é que os beneficiários vão receber o reajuste com o mesmo cartão, com a mesma operação", respondeu o especialista. 

Será preciso fazer um recadastramento no CRAS ? 

"Os dados são os dados do CAD - Único. As pessoas que já recebem, que já têm o cadastro, que já possuem o cartão, vão continuar recebendo", disse Edgar.

Quem recebe o teto do Bolsa Família pode ter o valor reduzido ?

"Não. A ideia é exatamente ampliar. O valor de R$189,00 é um valor médio. Algumas pessoas recebem menos e outras mais. A pessoa que recebe o valor máximo (teto) poderá até receber mais do que recebe hoje com o Auxílio Brasil", respondeu o economista. 

O que as pessoas bloqueadas no Bolsa Família devem fazer ? 

"O ideal é que essas pessoas procurem o CRAS, identifiquem o que aconteceu e atualizem esse cadastro, para quando vier a acontecer a modificação do pagamento do novo benefício, elas estejam com o cadastro correto", finalizou Edgar Leonardo. 

Quais são as categorias ?

Benefício Primeira Infância - Contempla familiar com crianças de até 36 meses (3 anos de idade). 

Benefício Composição Familiar - Para famílias com gestantes ou pessoas de 3 até 21 anos de idade, pago por integrante. 

Benefício de Superação da Extrema Pobreza - Pago por família, para aquelas que não tiverem superado a linha da extrema pobreza após o pagamento dos dois primeiros benefícios (Benefício Primeira Infância e Benefício Composição Familiar). 

Quais as subcategorias ?

O programa também contempla seis benefícios acessórios, que poderão ser somados ao valor recebido, desde que cumpridos determinados requisitos adicionais: Auxílio Esporte Escolar; Bolsa de Iniciação Científica Júnior; Auxílio Criança Cidadã; Auxílio Inclusão Produtiva Rural; Auxílio Inclusão Produtiva Urbana; e o Benefício Compensatório de Transição.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.